Informativo Semanal

Cadastre o seu e-mail para receber uma mensagem semanal.
18/12/2017

O Jovem e o nacionalismo


“Nacionalista autêntico é o jovem que está aberto a todas as experiências com qualquer outra nacionalidade e transforma o seu aprendizado em subsídios para o desenvolvimento de seu país”.

Mauro Moraes

O desenvolvimento dos meios de comunicação nos deixam a par dos acontecimentos nos mais distantes países. Os meios de transporte, desenvolvidos pela tecnologia do século XX, diminuíram consideravelmente o tempo para deslocamento entre as mais distantes nações. O Brasil, país de dimensões continentais, não é desconhecido aos brasileiros, seja através de informações ou deslocamentos interestaduais. Nem mesmo o planeta terra é limite para a expansão humana, o que comprova o nosso universalismo. O relacionamento e troca de experiência entre as mais diversas nacionalidades, é uma realidade em ascensão. Os jovens, de acordo com as condições, participam e criam, cada vez mais, intercâmbios internacionais, como o cadastro internacional de estudantes e os albergues da juventude, a serem aperfeiçoados. Catástrofes, como as ocorridas no Rio de Janeiro pelas inundações, na Etiópia pela seca ou no México pelos terremotos, contam com a imediata solidariedade da comunidade internacional. Portanto, conceito moderno de nacionalismo, está mais relacionado com patriotismo global do que com sentimentos de isolamento territorial ou discriminação de nacionalidade.

Nacionalismo consiste no direito de um povo em formar a sua nação, de acordo com as suas prerrogativas, estabelecendo seus vínculos externos de acordo com as suas necessidades ou conveniências, de acordo com a realidade nacional de produção, consumo, desenvolvimento tecnológico, procura de suprimento de deficiências ou mercado para o repasse de excedentes. A maioria das discussões correntes no Brasil acerca do nacionalismo, são vinculadas à questão da soberania nacional, e os jovens são o principal alvo das retóricas que atribuem a culpa por todos os problemas nacionais ao “imperialismo internacional”. Esses chamamentos ideológicos são promulgados por falsos nacionalistas, que se baseiam em idéias que não são brasileiras e não condizem com a índole de nosso povo. Ser nacionalista significa interessar-se pelos problemas do Brasil e procurar as soluções brasileiras para esses problemas. Nossa plataforma política é essencialmente nacionalista, pois acredita que os jovens brasileiros podem solucionar os problemas de nosso país. Aconselhamos aos jovens, como ponto de referência para a ação, a análise sensata e descompromissada dos problemas sociais, e a adoção de atitudes naturalmente nacionalistas, por estarem de acordo com os anseios do povo brasileiro, e clamamos à juventude para que não se deixem envolver por aqueles falsos nacionalistas, que somente objetivam aparentes mudanças, mas, na verdade nos querem sob o julgo de interesses externos.

O jovem nacionalista não é aquele que se enclausura em limites geográficos. Ser nacionalista é desenvolver a vontade genuína de querer Ter em seu país, tudo o que é bom para o seu povo. Nacionalista autêntico é o jovem que está aberto a todas as experiências, com qualquer outra nacionalidade, e que transforma o seu aprendizado em subsídio para o desenvolvimento de seu país. O verdadeiro jovem nacionalista é aquele que ama a sua cidade, seu estado e seu país, e estende sua solidariedade a todas as nações do mundo. O jovem nacionalista é aquele que procura entender profundamente as relações comerciais internacionais, para poder ajudar, como líder formado, nas negociações comerciais do Brasil com outros países, zelando pelos interesses de sua nação, jamais corrompendo-se e nunca procurando corromper outrem. Os jovens que amam o Brasil e trabalham para transformar nosso país em uma grande nação, são os nacionalistas do Brasil do futuro.

A defesa da soberania nacional, é uma questão de nacionalismo natural. Se nosso país é explorado e nossas riquezas são transferidas ilegalmente para outros países, a culpa é do governo que permite tais abusos e não zela pela segurança de nossa nação. Nesse caso, os jovens que hoje protestam a essas agressões à soberania nacional, devem se preparar que estão sendo cúmplices e permissores de um crime contra os brasileiros.

O nacionalismo é de importância fundamental no sentido de sentimento pátrio que orienta a ação individual. O jovem que ama o Brasil, externa seu sentimento de nacionalidade no momento do voto. O jovem que participa, mantém-se informado da realidade do seu país e vota conscientemente, passando a sua cidade, estado ou o Brasil às mãos de políticos que também amem nossa nação, estão protegendo nosso país da ação dos oportunistas internos e externos, dando provas de um nacionalismo maduro.

Porém, a prática do voto em branco, vendido ou trocado, põem em risco a soberania nacional, sujeitando-nos às ações esdrúxulas de políticos despreparados para a função de representantes dos interesses do povo.

O movimento “problemas políticos, problemas de todos”, nasceu na intenção de jovens, realmente nacionalistas, de ajudar o Brasil, a partir de Curitiba, a ser uma grande nação, em desenvolvimento, justiça e solidariedade.